Avisos

Nesses tempos de polarização, é necessário expressar nosso sentir com a Igreja

Sentir com a Igreja, em latim sentire cum ecclesia, também chamado de sentido cristão é a capacidade de conhecer, julgar, discernir, pensar

e resolver qualquer coisa na vida conforme a Fé Católica e a Doutrina Cristã; mais do que isso, é buscar, sempre e em todo momento, ver as coisas tal como Nosso Senhor vê, julgar não apenas pelas conveniências ou pelos mandamentos, mas verdadeiramente buscar conformar todos os costumes, opiniões, pensamentos e desejos com os que a tem a Igreja Católica e seu Divino Fundador.

A palavra sentir não deve ser compreendida como um sentimento, mas como verdadeiro alinhamento da inteligência e da vontade em tudo o que diz respeito à vida moral. É o critério de vida, o julgamento do que se deve fazer ou evitar, do que é bom ou mal, do que é desejável ou indesejável, de como se deve pensar as coisas. O sentir com a Igreja é como que uma fé viva, sempre alerta em todos os casos da vida, atenta aos detalhes e princípios das coisas que confere ao que a possui uma prudência, uma segurança, uma coerência em seu modo de viver, de se comportar, de se relacionar, de trabalhar, de se divertir, enfim, um verdadeiro espírito cristão que nunca é pego de surpresa ou seduzido pelas más tendências e influências que encontra.

A vida do bom cristão há de ser uma vida de fé ardente e incondicional e de obras inteiramente conformes à fé e a moral cristã. Há de ser a vida do filho amoroso da Santa Igreja de Deus, louvando o que ela louva e reprovando o que ela reprova, sentindo como ela sente em todas as coisas, procedendo com desassombro na vida pública e particular como filho obediente, fiel, ardorosamente leal à tão Santa Mãe, e, finalmente, defendendo-a em toda parte dos ataques dos inimigos, com o mesmo brio com que defenderia o nome e a honra de sua mãe.

Atualmente, muitas vezes a expressão sentir com a Igreja é mal empregada, sobretudo para a defesa da aceitação cega de doutrinas e tendências no mínimo duvidosas em documentos e pronunciamentos de alguns dos líderes da Igreja. Sentir com a Igreja não é seguir os tempos, mas seguir a Doutrina Imutável, é compreender que o que sempre foi errado continua sendo errado hoje, independente de estarmos em “outros tempos”.

Sentir com a Igreja é compreender que assim como Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre, assim também a Igreja será sempre a mesma, jamais tomará por certo o que antes tomou por errado, jamais defenderá o que combateu. Sentir com a Igreja, portanto, pode-se bem resumir assim, é defender e viver conforme a Doutrina, a Moral, a Disciplina e a Fé que sempre foram defendidas pela Esposa de Cristo, recusando em tudo o espírito do mundo. 

João Crisóstomo alertava com os seguintes dizeres: “Não te afaste da Igreja: nada te é mais forte do que ela. Ela é a tua esperança, o teu refúgio. Ela é mais alta que o céu e mais vasta que a terra. Ela nunca envelhece.” Também dizia Santo Epifânio: “Há um caminho real, que é a Igreja Católica, e uma só senda da verdade. Toda heresia, pelo contrário, tendo deixado uma vez o caminho real, desviando-se para a direita ou para a esquerda, e abandonada a si mesma por algum tempo, cada vez mais se afunda em erros” e, também dizia  Santa Teresa D`Avila com os quais quero servir e amar a Jesus Cristo sempre na e com a Igreja: “Em tudo me sujeito ao que professa a Santa Igreja Católica Romana, em cuja fé vivo, afirmo viver e prometo viver e morrer”.